GOLPE! Stédile, Falcão e Jandira Feghali iniciam PARTIDÃO de esquerda.

junho 29 14:51 2015

Oposição nas redes e ruas acabou com o PT. Stedile e líderes de esquerda iniciam criação de um grande PARTIDO.

A ação voluntária iniciada nas redes sociais e que chegou até as ruas, embora tenha sido tardia para derrotar a esquerda nas últimas eleições, já colocou o PT, Dilma e o próprio todo poderoso Lula, na beira do precipício. Se as eleições presidenciais fossem hoje, dificilmente uma liderança da esquerda radical seria eleita.

Sentindo na pele essa situação os lideres da esquerda raivosa já preparam a criação de uma espécie de frente única, que pode fazer com que os partidos de esquerda, mesmo com siglas diferentes, se tornem na prática somente um. Embora Stédile, do MST, tenha dito recentemente que é contra a criação de novos partidos, a justiça eleitoral e a oposição tem de estar atentos a esse empreendimento, verificando até que ponto é legal.

Coligações eleitorais, permitidas pela lei, são apenas uniões passageiras realizadas visando as eleições. Esse empreendimento foge bastante disso.

” … constituem uniões passageiras, estabelecidas apenas durante o período eleitoral por mera conveniência, sem qualquer afinidade entre os partidos coligados no tocante ao programa de governo ou ideologia.” (Senador INÁCIO ARRUDA)

Na medida em que alianças ideológicas e políticas, definição de uma linha de ação para ser aplicada no país e estratégias para eleição de representantes são planejadas em conjunto, tudo leva a crer que na verdade é SIM a criação de um grande partido de extrema esquerda, subdividido em várias siglas.

Jornais nesse final de semana informaram que militantes antigos do PT, como Wladimir Palmeira, já pensam em se aproximar dessa “nova sigla”. A mídia, que chama de golpe qualquer articulação da direita, se cala e não faz uma análise apurada dessa nova empreitada da esquerda raivosa e desesperada.

As negociações para a criação dessa frente de esquerda avançaram no sábado (27/06). Após uma demorada em São Paulo, dirigentes do PT, PSOL, PC do B e movimentos sociais, definiram a pauta de negociações e os próximos eventos para espalhar a idéia do que é chamado de “Grupo Brasil”, um embrião da coalizão.

Já há encontro marcado para o dia 25 de julho. Já foram convidados para a próxima reunião Luiz Gonzaga Beluzzo e Márcio Pochmann. Os dois são críticos da ação da presidente DILMA. Um dia antes das comemorações de 7 de setembro o grupo também deve se reunir.

Segundo a FOLHA o grupo diz que: “A iniciativa é uma aposta para fortalecer os partidos de esquerda, em especial o PT, que atravessa a mais grave crise institucional de sua história. No encontro deste sábado, integrantes do grupo argumentaram que está em gestação um escalada do conservadorismo no Brasil, que não mira só o petismo, mas uma série de pautas progressistas, como os direitos LGBT.”

Robson e Emílio // Revista o Pesadelo dos Políticos / 

Share Button
  Article "tagged" as:

Comentários no Facebook